Patrimônio Despedaçado de São Paulo

Fevereiro 08 2009

A A rua São Bento começa  na praça Ouvidor Pacheco e Silva e termina no largo do mesmo santo, em frente ao mosteiro. Em quase todos os seus quarteirões encontramos exemplares da arquitura que dominava esta região da cidade há cem ou cento e vinte anos atrás. Em sua maioria prédios comerciais de um, dois ou às vezes três andares com jalelas  emolduradas por caixilhos trabalhados, sacadas e balcões detalhadamente evidenciados.
Na Na esquida da rua com a praça Ouvidor Pacheco e Silva, encontramos um típico e majestoso exemplo da arquitetura do começo do século XX. Concluido em 1909, como atesta inscrição na fachada, hoje é um exemplo do desleixo para com o patrimônio que sobrou. Prédio de dois andares e sótão, com três trabalhados arremates que se destacam na paisagem de linhas retas do centro "renovado" nos anos 1970.
 
Seguindo a rua, em direção à sua outra ponta, do lado esquerdo, vê-se uma sequência de sobradões de um e dois andares que chamam a atenção mais pela diversidade de estados de conservação do que pela beleza em si, que ainda teimam em exibir aos interessados.
Passando a praça do Patriarca, na esquina com a rua da Quitanda, encontramos o prédio que abrigou, por muitos anos, entre 1924 e 2001, no térreo, a Casa Fretin uma das primeiras grandes lojas de aparelhos de precisão, na cidade. Hoje esse espaço abriga uma multinacional de investimento. 
Avançando mais um quarteirão, próximo ao largo do Café, está localizado, do lado direito da rua, o Edificio York, originalmente conhecido como Palacete Crespi, construido nos anos 20 do século passado, pela família do poderosos industrial Rodolfo Crespi, imigrante italiano, dono de uma das maiores indústrias da cidade, no começo do séc. XX. Teve seu interior e alguns detalhes da fachada alterados, mas mantém as estátuas masculinas nuas em estilo neoclássico.

publicado por enniobrauns às 21:54

Fevereiro 08 2009

Paralela a praça da Sé, esta rua exibe ainda hoje vários sobrados construidos no começo do séc. XX. Este dois à esquerda estão localizados no quarteirão entre seu início e a rua Benjamim Constant. Ambas tem as lojas no térreo ocupadas por estacionamentos e totalmente desfigurados. Os andares superiores encontram-se com as fachadas muito mal conservadas embora evidenciem seus estilos que caracterizam considerável valor histórico. Mais adiante, entre as esquinas com as ruas José Bonifácio e Direita está esse belíssimo prédio de dois andares com fachada intensamente decorada. Na foto vertical a vista do prédio voltada para a esquina da rua Direita. No detalhe do alto da esquina voltada para a José Bonifácio é possível visualizar a mistura de estilos, com  figuras humanas, volutas, florões que ressaltam no alto relevo e capitéis (um deles quebrado)  encimando vérticas e a portaria do edifício. Como todas essas construções estão no entorno da praça da Sé, é de se supor que todos eles tejam tombados por um ou mais de um dos departamentos de patrimônio histórico nos vários níveis de governo. Mas este tombamento ainda está por confirmar

publicado por enniobrauns às 16:02

Patrimônio Despedaçado é um projeto documental e historiográfico do que resta do patrimônio mal conservado, de São Paulo. Concebido, pesquisado e fotografado por Ennio Brauns.
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
26
27
28


pesquisar
 
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO